Sobre a natureza da linguagem: Agostinho e Wittgenstein